A cidade de Balsas teve origem no Porto das Caraíbas – principal porto de travessia dos grandes fazendeiros do município de Riachão.

O rio Balsas, principal afluente direto do rio Parnaíba, tem suas terras ricas e propícias à criação de gado.

O porto das Caraíbas tornou-se ponto turístico entre os fazendeiros e vaqueiros de toda a região.

O local foi ficando cada vez mais movimentado e um sertanejo chamado Antônio Jacobina estabeleceu uma venda começando então o povoado.

Dirigiu-se para o porto das Caraíbas, o baiano Antônio Jacobina, mercador de fumo naquelas áreas, além de bom tocador de rabeca e muito comunicativo. Começou a promover festanças que atraiam muitas pessoas ao local pelo ambiente, para alegria e pela celebridade que ali desfrutava, como a limpidez das águas dos rios. Muita gente não voltou para seus lugares de origem e novos casebres foram-se agrupando ganhando a simpatia do povo com as festanças e os pagodeiros nomearam Antônio Jacobina como o chefe do novo povoado que o chamou de Vila Nova.

Em maio de 1979, foi edificado uma pequena capela tendo como protetor Santo Antônio.

Em 1882, o deputado Manoel Caetano Lemos, representante do sertão maranhense no Congresso Estadual e residente em Riachão, apresentou um projeto que se transformou em Lei no 1.269 de 23 de maio de 1882 mudando a denominação de Vila Nova para Santo Antônio de Balsas.

Em 07 de outubro de 1892, o povoado foi elevado a categoria de cidade em 22 de março de 1918 pela Lei apresentada ao Congresso Estadual pelo deputado Tucides Barbosa, passando a chamar-se apenas Balsas no dia 22 de março de 1918.